18 - Beatiful

Foi o quarto e último single de Relapse, o álbum com que em 2009 regressou da maior paragem sua carreira, um período de cinco anos. Para este recomeço, Eminem abriu o jogo numa balada em que tentava tanto inspirar os fãs como a sua cidade, Detroit, retratada no vídeo como abandonada, mas que já tinha sido uma das mais fortes industrialmente a nível mundial.

17 - Just lose it

Pouco inovadora, esta típica paródia de Eminem foi o single inicial de Encore, o álbum que encerrou a primeira parte da sua carreira, antes da tal paragem. Divertida, servia-se de várias celebridades como alvos, alguns deles facéis, como Michael Jackson, ridicularizado no videoclip, isto durante a fase em que era acusado de abuso de menores. Ficou na memória, mas não para a história.

16 - Walk on hater

Se Relapse foi o primeiro regresso de Eminem, Revival poderá ser encarado como o início da terceira parte da sua carreira. O álbum, editado em 2017, foi antecipado por este tema, uma balada que não chega a ter a chama necessária, em que Beyoncé dá a voz a um refrão da autoria de Skylar Grey, que chegou a substituir Mrs. Knowles em actuações como os MTV EMAs.

15 - Berzerk

Produzido pela lenda Rick Rubin, que entre muitas coisas ajudou os Beastie Boys a tornarem-se gigantes, este single de 2013, que abriu as hostilidades para The Marshall Mathers LP 2, tem exactamente esse som típico dos anos 80, também popularizado por exemplo pelos Run-DMC. No vídeo há um “tijolo” que lê cassetes e com mais uns pozinhos ficou a homenagem feita e um single forte para Eminem.

14 - Sing for the moment

Produto da era dourada do rapper, apenas foi solto nove meses após o lançamento de The Eminem Show. Eminem pegou em Dream On, dos Aerosmith e usou-a para criar uma canção lenta em que anda à volta dos verdadeiros efeitos do rap na sociedade, bem como da mensagem mal entendida das suas letras. Um clássico dentro de um clássico.

13 - Love the way you lie

Mais uma colaboração com Skylar Grey, esta de 2010, em que Eminem escolheria Rihanna para cantar o refrão deste tema sobre relações abusivas. O vídeo, com uma casa em chamas, Megan Fox e Dominic Monaghan (o Charlie de Lost), também ajudou à popularidade da mesma.

12 - Not afraid

Antecedeu Love the Way You Lie, sendo o single de estreia de Recovery, álbum lançado em 2010, apenas um ano após Relapse. onde mostrava um Eminem diferente, ainda por cima num primeiro single de um álbum, onde costuma ser ácido. Com uma mensagem positiva e um coro no refrão, este Eminem sem drogas e violência perde um pouco do tempero e não foi um sucesso estrondoso, mas ficou na memória.

11 - Rap God

Apesar de todos os seus álbuns excepto o de estreia terem liderado o top americano, é com The Marshall Mathers LP 2 que volta efectivamente à boa forma, sendo este single uma boa amostra do mesmo. Serviu também para impressionar uma nova geração que o estava a redescobrir, especialmente pela rapidez supersónica do seu rap. Numa das partes são debitadas 101 palavras em 16,45 segundos.

10 - The monster

Continuando no segundo volume de The Marshall Mathers LP, espaço para nova colaboração com Rihanna, desta vez com ainda mais sucesso. Apesar de ter sido concebido a partir do refrão de outra compositora (Bebe Rexha) que não Skylar Grey, o estilo e a repetição de intervenientes fazem com que não seja assim tão diferente de Love the Way You Lie, mas a performance de Rihanna foi mais longe e tornou-a memorável.

09 - Mockingbird

A relação com a ex-mulher e as filhas, tema recorrente do seu trabalho, é aqui combinada com a melodia de uma canção de embalar, que usa para pedir desculpa às crianças pelo casamento falhado, prometendo que tudo vai ficar bem. Uma pérola do lado sensível de Eminem, que criou aqui uma canção que funciona, ao contrário de muitas relações, e se tornou um clássico instantâneo.

08 - Guilty conscience

Último single de The Slim Shady LP, onde conta com a colaboração de Dr. Dre, que aqui representa um anjo, em disputa com o demónio Slim Shady. Ao longo da canção são apresentados três dilemas morais, onde Dre e Eminem tentam convencer cada interveniente a seguir os seus conselhos, tudo isto num vídeo interessante a nível de efeitos para 1999, numa das primeiras grandes amostras do talento de Shady.

07 - Cleanin´ out my closet

Outro dos temas favoritos de Eminem, a sua mãe que nunca terá cumprido sequer os serviços mínimos para o papel. Esta é a canção definitiva sobre o tema, onde Marshall Mathers a expõe ao mundo, recordando as maiores cicatrizes da sua infância, além de descarregar sobre a pessoa que lhe terá desejado a morte e para quem ele efectivamente se considera morto.
O ambiente não podia ser mais pesado.

06 - The way i am

Outra entrega agressiva de Eminem, esta publicada no já longínquo ano 2000, onde mostra sem rodeios o seu lado negro, numa postura de “quem quiser gostar, gosta”, ao longo de versos angustiados e quase gritados, em que simultaneamente pede que o deixem descansado. Isto porque estávamos numa era em que os media até culpavam Marilyn Manson pelo massacre de Columbine. E por mais que as coisas mudem...

05 - The real slim shady

Entre Pamela Anderson, Tommy Lee, Britney Spears ou Christina Aguilera, mostrava um Slim Shady a disparar em tudo o que era cultura pop. Tratava-se do primeiro single de The Marshall Mathers LP, o terceiro álbum de Eminem, que lhe permitiu o maior sucesso até então, obtendo o primeiro lugar do top em países como a Inglaterra, prova de que se estava a tornar definitivamente uma estrela global.

04 - My name is

O segundo LP de Eminem venceu um Grammy para melhor álbum de rap e este era o seu cartão de visita, que também teve direito ao prémio para melhor performance de rap a solo. Apesar de já ter lançado o single Just Don’t Give a Fuck, no ano anterior, era aqui que se estava a mostrar ao mundo, ridicularizando boa parte dele, sem misericórdia nem possibilidade de voltar atrás.

03 - Without me

Aqui estávamos em 2002 e com Marshall Mathers no topo da sua forma e popularidade, preparado para dominar o mundo do hip-hop e não só. Entre políticos e a mãe, dispara um pouco em todas as direcções, sem problemas em afirmar-se como o Elvis que o rap nunca tinha tido. E o vídeo ia por igual caminho, com Batman, Robin ou Bin Laden, numa atitude de faço o que quero, quando e como quero. E tem feito.

02 - Stan

A história do maior fã de Eminem e da sua namorada grávida presa na mala do carro tornou-se um sucesso que ultrapassou as fronteiras tanto do hip-hop como dos países que tradicionalmente nem bebiam desta cultura por volta do ano 2000. Serviu ainda para lançar a carreira de Dido, a quem o refrão de uma das suas canções foi pedido emprestado, criando um clássico instantâneo que resistiu ao tempo. Excepto na parte em que hoje seria tudo pelo Instagram e talvez ninguém tivesse morrido...

01 - Lose yourself

Tinha tudo para correr mal. O filme 8 Mile, não esta canção. Com Eminem no principal papel, a interpretar uma história auto-biográfica, não só criou um objecto de arte respeitável como provocou o nascimento do tema que o tornou o primeiro rapper a vencer um Oscar para melhor canção original, além de dois Grammys e mais uns quantos prémios para este alinhamento perfeito entre letra, interpretação e produção.

Partilha isto: