15 Terça

RÚBEN BRANCO: SIMPÁTICO

Com 55 mil subscritores, provavelmente já conhece este fenómeno do Youtube. Mas, o Rei do Underground quer relembrar os portugueses de que não há amor como o primeiro: o stand-up comedy. O Cinema São Jorge estreia o seu espectáculo a solo no dia 15, na sala 2. Sempre pronto para lhe contar uma história, Rúben Branco irá mostrar aos seus seguidores que (ainda que um sem-vergonha na sua acidez) é o mesmo simpático fora do ecrã – com o extra de poderem acertar contas no final. É uma oportunidade de ouvir o humorista partilhar aquilo que não pode nas redes sociais, “senão já estaria chacinado”. E, para saber o que lhe espera, espreite a entrevista no Especial de Inverno PLAYBOY.

06 Domingo

SAUDADE, CHINA & PORTUGAL

Neste Dia de Reis, recheie-se de arte. O Museu Berardo convida-o a perder-se num conceito que não se traduz noutras línguas, nem no tempo: saudade. Entre Portugal e China, esta exposição viaja pela história fascinante de duas culturas entrelaçadas, que se materializa nas obras de 16 artistas. Yuko Hasegawa fez a selecção de peças que, desde a pintura ao néon, promovem um novo ponto de vista sobre as metamorfoses sociais desta convergência luso-oriental. Joana Vasconcelos, André Sousa e José Pedro Cardoso são alguns dos portugueses que dão cor à colecção.

08 Terça

TANGO4FUN

Ano novo, vida nova, mas há coisas que convém manter: a desintoxicação daqueles pecados bem doces das festividades. E nada como experimentar umas aulas de tango argentino no CastroBeer. Em pleno Cais do Sodré, a absorver toda a atmosfera libertina, não há regras para quem conduz ou quem é conduzido. Só tem de desligar o interruptor da razão e deixar o corpo aquecer ao ritmo da dança provavelmente mais sexual da história. Tem até 2 de Junho para largar o copo no bar ao lado e desafiar-se, todas as terças.

12 Sábado

TITO PARIS

Ainda o ano mal começou, e a Casa da Música já recebe um dos concertos mais especiais. Tito Paris sobe até à Invicta pela primeira vez para apresentar o seu novo disco Mim ê Bô. O mundo lusófono na voz do icónico cabo-verdiano é composto por 13 temas interpretados em crioulo e é uma tradução da fusão cultural. Inspirado numa amizade, o single de apresentação reflecte a mistura quente do álbum e transcreve a personalidade do artista que tanto afecto foi conquistando dos portugueses. Mim ê Bô simboliza um abraço entre culturas, assim como Tito Paris

Partilha isto: